RED

←REVISTA ELECTRÓNICA DE DIREITO

O papel do sistema de justiça numa sociedade em anomia: constrangimentos e desafios em Portugal

José Neves Cruz
Anomia institucional; sistema de justiça; valores culturais; instituições sociais e políticas; desenvolvimento humano; felicidade.

Ano 2018

Neste estudo aborda-se o papel do sistema de justiça quando se verificam problemas de anomia institucional, aplicando essa reflexão ao caso português. Depois de uma breve apresentação da teoria da anomia institucional, identificaram-se alguns sinais de anomia em Portugal, tendo em conta a incorporação dos valores culturais associados ao Sonho Americano, as pressões económicas na sociedade portuguesa, a situação das instituições políticas e sociais e a evolução da criminalidade instrumental no país. Neste contexto concluiu-se que o sistema de justiça é chamado a assumir um papel crucial na redução dos efeitos da anomia, ou seja, na prevenção do crime instrumental, em termos da sua função dissuasora do cometimento de crimes e ainda do seu contributo para o robustecimento das instituições políticas e sociais. A análise desenvolvida apontou para uma relação forte entre a qualidade do sistema judicial e: i) o desenvolvimento humano; ii) o bem-estar subjetivo percebido pelos cidadãos, ou seja, a felicidade. Os resultados indicam que o sistema de justiça português, comparativamente a vários países europeus, apresenta fragilidades para lidar com os efeitos da anomia.


SUMÁRIO:

1. Introdução

2. Anomia institucional

3. Anomia em Portugal

3.1 Valores culturais

a) Ser bem-sucedido

b) Individualismo

c) Universalismo

d) Materialismo

3.2 Dominância da dimensão económica

3.3 Instituições sociais

a) Família

b) Religião

c) Instituições políticas

d) Instituições sociais

i) Educação

ii) Cuidados de saúde públicos

iii) Proteção social

3.4 O crime instrumental em Portugal

4. A eficácia e a qualidade do sistema de justiça em Portugal

5. Contributo da qualidade do sistema de justiça para a melhoria das instituições políticas, instituições sociais e para as perceções de bem-estar (felicidade)

6. Conclusões

Bibliografia